5 fatos sobre cerveja e o Meio Ambiente

Descubra em 5 fatos o que fazemos para cuidar do Meio Ambiente, enquanto elaboramos cervejas de qualidade.

23 de Abril de 2018 Continuar lendo

Na semana do Dia da Terra, como bons alquimistas, queremos falar sobre o que a produção de bebidas tem a ver com o meio ambiente e qual é o seu impacto. Com a no Listamos 5 fatos sobre a Petronius Beverages, para você saber um pouco mais sobre o cuidado que temos em todos os nossos processos.

1. Quanta água gastamos?

Água é um ingrediente fundamental para elaboração da cerveja e é o principal componente de sua alquimia, com mais de 90% do volume total. Acontece que durante o processo de elaboração, muito mais água é perdida por conta da sua evaporação, além dos procedimentos de higienização – fundamentais para a qualidade de nossa apreciada bebida.
As grande cervejarias utilizam cerca de 3 a 4 litros de água por litro de cerveja produzida. Aquela piada de que beber cerveja para poupar água não fez muito sentido. Você já deve estar se perguntando qual é a diferença para uma pequena cervejaria. Nós ficamos pasmos quando descobrimos que podem gastar 10 litros de água por litro de cerveja, e nos chocamos quando um micro cervejeiro falou com orgulho que precisa de quase 20 litros!
O que nós fazemos a esse respeito? Usamos menos de 2 litros de água por litro de cerveja elaborada.

2. Água da chuva

A água é um tesouro precioso que recebemos da natureza e precisamos cuidar bem. A gestão águas nas cidades brasileiras é um fator de grande preocupação. Quantos de nós bebem apenas água mineral pela baixa qualidade da água encanada nas cidades? Não podemos ficar alheios a isso. Mas você sabia que mesmo no campo isso pode ser um problema?
Muitas vezes, quem está na zona rural precisa perfurar o solo para buscar água de qualidade para o seu consumo. É claro que essa água brota fresca, é um prazer bebê-la, Porém, há um risco nisso: o excesso de perfurações pode provocar contaminação do lençol freático. O que poderia ser uma solução, pode gerar um problema ainda maior.
Nós preferimos respeitar a terra e respeitar as suas águas mais profundas, por isso usamos apenas água superficial, provinda da chuva em todos os nossos processos. Como prêmio extra, temos uma água com ainda mais qualidade para a elaboração de nossas cervejas.

3. Esgoto? Nem pensar

Precisamos continuar falando de água, afinal, qualquer cervejaria (mesmo as pequenas) tem um alto potencial poluente. A água de resíduo, ou seja, aquela usada para lavar os tanques, o piso, etc. fica com um alto teor de matéria orgânica. Isso significa que quando despejada no esgoto ou num rio, essa matéria orgânica se degrada, gera microrganismos, cheiro ruim e reduz o oxigênio da água. O resultado disso pode ser catastrófico para a vida nessas águas.
Por isso a legislação ambiental obriga as cervejarias a tratarem os seus efluentes (a água suja que sai dos processos). Evidentemente, nós cuprimos essa legislação à risca, mas gostamos de ir além. Tratamos toda a nossa água de resíduo, mas não despejamos nem mesmo uma gota no Arroio Macaco (que passa há algumas centenas de metros da nossa planta, onde as crianças da família gostam de se refrescar nos dias mais quentes). Em vez disso, usamos essa rica matéria orgânica para adubar o nosso parreiral e gerar frutos, em vez de poluição.

Há também resíduos sólidos oriundos do processo cervejeiro. As embalagens são selecionadas e enviadas para reciclagem. Já o bagaço dos cereais, ainda ricos em nutrientes, são destinados à ração animal, através de parcerias com produtores locais, que usam para alimentar as suas criações suínas e bovinas.

4. Energia renovável

Para se elaborar cerveja, precisamos de muito calor. Como temos uma destilaria, precisamos de mais calor ainda. Todos sabemos o quanto a queima de combustíveis fósseis impacta o meio ambiente, por isso, simplesmente não passou pela nossa cabeça utilizá-los. A nossa caldeira funciona com lenha de reflorestamento, garantindo um ciclo de carbono harmonioso com a natureza.

5. Responsabilidade histórica

Não é marketing. Não é simplesmente uma exigência legal. É responsabilidade. Você pode pensar que fazemos tudo isso para promover a nossa imagem, ou que não fazemos mais que nossa obrigação. Concordamos em parte, é nosso dever e fazemos por compromisso ético com o meio ambiente e com as gerações futuras. Mais que isso, fazemos como uma forma de agradecer um de nossos antepassados.
Emílio Kunz (1899 – 1986) fundou a Vinícola Petronius em Gramado, na década de 1930. Naquela época, não havia legislação ambiental. No início do século, não havia uma preocupação com o meio ambiente. Antes da Segunda Guerra Mundial, não havia redes sociais para fazer pose de bom moço. Mas se você visitar a casa onde era a Vinícola Petronius, que hoje é o arquivo histórico de Gramado, vai ver as muretas que o primeiro enólogo de nossa família usava para tratar os efluentes da vinícola.

Este artigo foi escrito por Júlio César Kunz

Engenheiro de alimentos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Mestre em Marketing pela Universidade de Paris X (OIV MSc in Wine Management). Gerente de marketing da Petronius Beverages.